Domingo, 17 de Maio de 2009

O jornalismo de proximidade tem sido uma aposta cada vez mais apetecível aos Meios de Comunicação.

 

É um género jornalístico cada vez mais presente nos órgãos de comunicação. Ao longo dos anos tem ganho o seu espaço, sendo cada vez mais importante. Usado primeiramente na imprensa regional, rapidamente a imprensa nacional e as televisões se aperceberam que este género ganhava força.

 

O dinamismo mais evidenciado passa pela imprensa diária. Os jornais diários portugueses procuram exercer um jornalismo de proximidade, justificando que estes precisam de “mudanças”. As maiores apostas assentam nas imagens apelativas, temáticas diversificadas, leituras ritmadas e fácil interpretação.

 

Poder chegar a todos os cidadãos de forma directa, procurando ajudar a divulgar as suas carências, revoltas e indignações são os factores chave para a sua intervenção e posição no mercado jornalístico.

 

Os portugueses mudaram as suas formas de ler. Diligenciam as notícias com as quais se identificam. A faculdade de assumir a sua postura de repórter, com notícias das suas regiões é uma mais valia para todos.

 

A interacção entre a redacção e o público é uma ligação estreita e com tendência a se intensificar e a fortalecer. Este papel, tal como defende o Professor da Universidade de Coimbra Carlos Camponês, autor do livro “Jornalismo de Proximidade”, a imprensa Regional será a imprensa do século XXI.”Estamos perante um panorama de comunicação virado do “avesso”. É cada vez mais fácil tomar conhecimento dos acontecimentos longínquos, mas nos distanciamos da realidade cada vez mais próxima.”

 

Este género de jornalismo permitirá que toda a comunicação funcione como uma rede, onde cada malha trará acontecimentos dos seus mais diversos locais.

 

As notícias transmitem que o mundo está em crise, mas os portugueses com certeza estarão mais preocupados com o seu país, a sua região, o seu bairro.

 

 

Ana Marta Sénica n.º9918

 



publicado por comunicaradireito às 19:48
Debater e reflectir sobre as leis da comunicação social. Coordenação: Jorge Ferreira
pesquisar neste blog
 
tags

televisão(106)

internet(105)

empresas(94)

imprensa(84)

história(62)

justiça(62)

opinião(53)

jornalistas(50)

escola(44)

blogues(42)

erc(41)

comunicação social(38)

eua(37)

informática(34)

liberdade de expressão(31)

jornalismo(25)

direitos de autor(24)

governo(22)

revistas(20)

publicidade(19)

reino unido(19)

pirataria(15)

liberdade(14)

política(12)

ps(12)

download pirata(11)

rádio(11)

censura(10)

crianças(10)

espanha(10)

agenda(9)

assembleia da república(9)

frança(9)

telecomunicações(9)

crise(8)

irão(8)

privacidade(8)

blogue para hoje(7)

concentração(7)

despedimentos(7)

direito à imagem(7)

língua portuguesa(7)

telemóveis(7)

eleições 2009(6)

cavaco silva(5)

ccpj(5)

china(5)

concorrencia(5)

prémios(5)

publicações(5)

serviço público(5)

comércio electrónico(4)

madeira(4)

provedor dos leitores(4)

psd(4)

suécia(4)

brasil(3)

futebol(3)

media(3)

regulação(3)

angola(2)

austrália(2)

bloguista(2)

canadá(2)

cds(2)

cinema(2)

clube de jornalistas(2)

consumidores(2)

coreia do norte(2)

cuba(2)

estado(2)

ética profissional(2)

google(2)

igreja católica(2)

iraque(2)

itália(2)

parlamento europeu(2)

pcp(2)

plágio(2)

sociedade da informação(2)

sondagens(2)

tribunais(2)

união europeia(2)

venezuela(2)

afeganistão(1)

alemanha(1)

américa latina(1)

anacom(1)

argentina(1)

artigo de opinião(1)

autoregulação(1)

benfica(1)

call centers(1)

casa da imprensa(1)

cia(1)

conselho deontológico(1)

coreia do sul(1)

dados pessoais(1)

despesa pública(1)

deveres dos jornalistas(1)

todas as tags